Seu computador está lento? Veja por que troca do HD por SSD vai resolver

Seu computador está antigo e o sistema operacional demora para carregar. Antes de pensar em comprar um PC ou um notebook novo, uma opção é substituir um componente que pode dobrar a velocidade para realizar funções simples, como iniciar o Windows, navegar na internet ou mesmo acessar programas mais pesados. Trata-se do SSD (Disco em Estado Sólido), que é uma evolução comparada ao HD (Disco Rígido), presente na maioria dos computadores mais antigos. A grande diferença ao usar um no lugar do outro é a rapidez com que ele acessa as informações armazenadas nele. Relacionadas Cansou do alarme do Android?

 

E a boa notícia é que comprar um SSD atualmente não é tão caro quanto antigamente. Pesquisando em varejistas é possível achar modelos de 240 GB por cerca de R$ 250 — em 2018, um desses custava R$ 350. Ou seja, você gasta menos de um décimo do preço de um notebook novo de especificações medianas, que sai por volta de R$ 3.000. Enquanto o SSD funciona como uma espécie de pendrive, com pulsos elétricos gravando dados em um circuito, o HD usa uma agulha magnética para gravação e leitura de dados — como se fosse uma vitrola tocando um disco de vinil. Este último processo é mais “burocrático”, tornando o acesso às informações mais lento.

A diferença, na prática Em boa parte dos casos, um dos grandes gargalos de desempenho dos computadores é a taxa de transferência de dados de um HD convencional. O número, em si, pode variar de acordo com a velocidade de rotação desse componente (medida em RPM, rotações por minuto), mas em uma peça do tipo comum, fica próximo dos 150 MB/s tanto para leitura quanto para a gravação. Nos modelos mais simples de SSD essa taxa facilmente ultrapassa os 500 MB/s para leitura e 300 MB/s para gravação. Em resumo: um computador equipado com o componente vai ler os dados três vezes mais rápido do que um HD comum e, pelo menos, armazenar informações duas vezes mais rápido.