Presidente do Boca Juniors chama arbitragem de “maliciosa” e detona Atlético-MG

Jorge Amor Ameal afirma que o clube foi prejudicado de forma intencional durante as oitavas de final da Libertadores

 

O Boca Juniors comentou sobre a confusão generalizada após a derrota para o Atlético-MG nesta terça-feira (20), no Mineirão, pelas oitavas de final da Libertadores. Em nota assinada pelo presidente Jorge Amor Ameal, o clube chamou a arbitragem de “maliciosa” e fez duras críticas ao rival.

 

O presidente do time argentino diz ter sido prejudicado de forma intencional após a anulação do gol de Weingandt, no segundo tempo da partida. Além do tento anulado de González, no jogo de ida.

 

“O clube sofreu duas inexplicáveis derrotas frente ao Atlético Mineiro nesta Copa Libertadores, anulando gols legais que destruíram o espírito esportivo do torneio de maior prestígio do continente. Hoje, nossos parceiros, fãs, jogadores e equipe técnica foram prejudicados de forma maliciosa, interpretando a tecnologia VAR de forma maliciosa e intencional”, disse.

 

“O ocorrido marca um acontecimento inédito, pois é o único caso em que ao vencer os dois jogos da série um clube é eliminado da competição”, prosseguiu o presidente do clube.

 

“Também não podemos esquecer que da mais alta autoridade do Atlético Mineiro disparou com expressões violentas e ameaçadoras durante vários dias até chegar aos infelizes acontecimentos em que sofreram danos físicos os nossos jogadores, comissão técnica e dirigentes, que tiveram de ser atrasado por mais de 12 horas em situações infelizes para não quebrar a bolha da saúde”, finalizou Ameal.

 

A equipe de Buenos Aires foi encaminhada à delegacia logo após a confusão no Mineirão. A polícia chegou a sugerir que fossem prestar depoimento somente os membros identificados no tumulto. O técnico Miguel Ángel Russo, porém, exigiu que toda a delegação fosse ao local. Diante da situação, o clube acabou perdendo o voo de volta ao país e deixando Belo Horizonte apenas nesta tarde.