Acabou a mamata? Desde março Bolsonaro recebeu documentos que alertavam Esquema de corrupção bilionária

Escândalo sem precedentes: o Presidente da República Jair Bolsonaro sabia do esquema de superfaturamento de R$1,6 bilhão na compra da vacina indiana. A informação acaba de ser revelada pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) que disse ter alertado o presidente sobre indícios de irregularidade na negociação do Ministério da Saúde para a compra da vacina indiana Covaxin.

 

“No dia 20 de março fui pessoalmente, com o servidor da Saúde que é meu irmão, e levamos toda a documentação para ele”, disse ele à FOLHA nesta quarta-feira (23). ​O deputado é irmão de Luís Ricardo Fernandes Miranda, chefe da divisão de importação do Ministério da Saúde, que relatou ao MPF (Ministério Público Federal), em depoimento em 31 de março, ter sofrido pressão incomum para assinar o contrato.

 

O parlamentar revelou ainda que Bolsonaro prometeu acionar a Polícia Federal para investigar o caso. Mas o tempo foi se passando e ele não recebeu retorno do presidente ou da PF sobre o caso. “Não era só uma pressão que meu irmão recebia. Tinha indícios claros de corrupção.” Miranda é da base do presidente e não quis responder se Bolsonaro prevaricou no caso. “Levei (o caso) para ele porque confio nele. Espero que ele tenha feito alguma coisa”, disse o deputado. Miranda e seu irmão serão ouvidos pela CPI da Covid no Senado na sexta-feira (25). Procurado, o Palácio do Planalto ainda não se manifestou.

 

Reportagem da FOLHA DE S.PAULO.