Patrícia Roberta morreu por asfixia através de esganadura, aponta laudo

Laudo da causa morte apontou que a jovem Patrícia Roberta, de 22 anos, foi morta por asfixia por esganadura. O caso ocorreu há um mês, em João Pessoa. O suspeito do crime, Jonathan Henrique, está preso.

A estudante Patrícia Roberta morava em Caruaru e saiu de casa  para passar o fim de semana em João Pessoa, onde ficaria hospedada no apartamento de um amigo. Eles já se conheciam há cerca de 10 anos, quando o rapaz foi estudar em Caruaru, mas depois voltou a morar em João Pessoa, mantendo contatos frequentes com Patrícia.

Ele havia prometido a Patrícia que a levaria para conhecer as praias da Capital paraibana, mas deixou a moça sozinha no apartamento no sábado, à noite e fechou a porta, alegando que seria para a segurança dela.

Ela ficou desesperada e ainda manteve contato com a mãe, Vera Lúcia, até a manhã do domingo, quando estava triste e disse ter sido mantida presa no apartamento do “anfitrião” enquanto ele saiu. Quando o rapaz retornou, Patrícia desligou o telefone e não deu mais notícias à família. A última vez  que falou com a mãe por uma rede social foi às 12h06 minutos do domingo.

O pai da moça contou que ela havia conhecido esse jovem há algum tempo, mas a família dela teria sido contra a aproximação dos dois, que se reencontraram depois pela internet, onde passaram a se comunicar até que ele convidou-a para vir à capital da Paraíba para passar o fim-de-semana.

A situação ficou cada vez mais complicada e os pais de Patrícia resolvera viajar até João Pessoa, onde procuraram a Polícia e registraram um Boletim de Ocorrência na noite da segunda-feira.  A partir daí começaram as buscas por Patrícia, mas quando a Polícia chegou ao apartamento do rapaz não havia mais ninguém.

Um dos vizinhos disse aos policiais ter visto ele saindo de madrugada com um carrinho de mão transportando um tambor de lixo. Ao seguir o suspeito, o vizinho disse que ele ficou nervoso, deixou o tambor cair do carrinho e pôde verificar que um corpo estava sendo levado. O suspeito, então, teria discutido com o interlocutor. Em seguida, voltou para o prédio e saiu de motocicleta para concluir a tarefa.

As imagens do circuito de segurança de prédios vizinhos mostram o rapaz saindo em disparada em uma moto com um volume semelhante a um corpo enrolado em lençol e um saco plástico e tomando destino ignorado.

Dentro do apartamento a Polícia encontrou um livro de magia negra e uma espécie de altar. Além disso havia uma lista com o nome de 22 mulheres, entre eles estava o nome de Patrícia, o que leva a Polícia a acreditar que o crime foi premeditado.

Depois de várias horas de buscas, as Polícias Civil, Militar e o Corpo de Bombeiros Militar encontraram o corpo de Patrícia em uma mata próxima a um condomínio no bairro Novo Geisel, zona sul de João Pessoa. O corpo estava enrolado no lençol, coberto por um saco plástico e preso por várias fitas adesivas, já em estado de decomposição.