Secretário de Segurança de JP, João Almeida é denunciado por ter furado a fila da vacinação contra a Covid-19

João Almeida (Solidariedade), atual secretário de Segurança Urbana e Cidadania de João Pessoa, foi denunciado por ter furado a fila da vacinação contra Covid-19 em João Pessoa. Segundo as informações divulgadas pelo Jornal da Paraíba, ele teria usado o Dia D da vacinação contra a Covid-19 da Guarda Municipal para tomar a vacina. No mesmo dia, outros servidores da pasta também teriam sido vacinados.

O prefeito Cícero Lucena (PP) já está ciente da irregularidade. Ele determinou que a Procuradoria Geral do Município abrisse uma sindicância para investigar se ele e outros servidores da Secretaria teriam sido vacinados sem autorização. “Opinei pela remessa dos autos à Comissão Permanente de Processo Administrativo Disciplinar da Secretaria de Administração do Município de João Pessoa (COPAD/SEAD), a fim de que sejam apurados os fatos, dando-se oportunidade de contraditório e ampla defesa às partes”, informou o procurador Bruno Nóbrega.

Ex-candidato à prefeitura da capital, João Almeida tomou a primeira dose do imunizante da AstraZeneca há um mês atrás, em 19 de abril. O secretário nega a irregularidade. Ele afirmou que todos os que tomaram a vacina estão no ordenamento jurídico da Guarda Municipal e têm direito, inclusive ele: “Estou na linha de frente sempre com a Guarda, sou do quadro, policial e tenho 46 anos e tenho comorbidade”, justifica.

Vale ressaltar que, apesar de ser policial rodoviário federal, o secretário não está no exercício da função. Além disso, como secretário, ele não faz parte da GCM. Não há informações de quantas pessoas e nem de quem tomou a vacina sem estar na sua vez.

Ainda segundo João Almeida, logo após a vacinação ele enviou o relatório completo com CPF e matrícula de cada um dos vacinados: “Inclusive em um dos dias houve descarte de duas vacinas por que não tinha mais ninguém apto. Dói no coração mas tivemos que seguir a regra”, tentou justificar.

Fonte: Blog Conversa Política

Créditos: Polêmica Paraíba